Nas asas do sonho

Nas Asas do Sonho

I

O professor na sua vida meio nómada tinha conhecido sítios, gentes e momentos. Vivia a solidão  no final de cada dia. A sua vida eram partidas e chegadas , saudade era palavra proibida…

A manhã estava agradável, ele chegou e sentou-se na esplanada, a poucos metros corria o rio, umas árvores antigas faziam daquele espaço um sítio agradável. Estava bem com o tempo mas meio ansioso, ia encontrar-se com alguém que só conhecia do outro lado do teclado , tinham combinado um café. Aquele local conhecido pelos dois  ficava ao lado do rio e perto de uma ponte.
Ele estava  curioso, já imaginara diversas vezes como seria. Tinham conversado algumas vezes ele dum lado ela do outro, talvez até muito próximos no espaço e no tempo, partilhavam gostos….
Ela surgiu precisamente do lado que ele não esperava,  quando se sentou na sua frente pode observar somente um pouco dos seus olhos escondidos.

Pediu dois cafés. Discretamente observaram se. Enquanto  ele mexia o seu café sem açucar, ela acendeu um cigarro, conversaram sobre as suas vidas, o que gostavam de fazer.  Era fácil conversar com ela, surgiu uma empatia nas palavras e nos momentos de silêncio em que ele observava o rio e assim permitia que ela visse o sonho nos seus olhos. Quando se levantaram, sentia no seu peito a vontade de a abraçar, de a tocar , os beijos leves que lhe deu na face deixaram o seu odor e a sua imagem impregnados nele . Com muitas palavras por dizer, ficou a ver a menina de sofrimento nos olhos escondidos atravessar a ponte. Pensativo …. na  mágoa com que falara da sua vida, eram palavras, mas ambos sabiam que a vida é feita de encontros e desencontros . Quando entrou no carro só pensava quando a poderia ver de novo.