Os Fantasmas

O Acordar dos Fantasmas

Os pensamentos dele eram um terreno de batalha sem fim…

O sentimento era forte até ao infinito….

O encontro na Beira do rio não fora decerto a melhor opção

Deu-lhe a sensação que havia muito ainda por dizer, ela não estava preparada ou não era capaz de aguentar a pressão de um sentir tão forte.

Na vida temos de abrir e fechar portas isso….

De manhã perante a sua mensagem de bom dia ela responde que ali é o fim do caminho, por outras palavras que ele hoje não quer lembrar nem escrever.

Ele agora tem a certeza algum viajante entrou de novo no caminho deles.

As palavras são a força ….

Agora sabia ela não tinha conseguido fechar todas as portas

Tentou conversar com ela, mas o silêncio e o não, foram as respostas que conseguiu.

Parecia que uma estranha mão a estava a guiar noutro sentido.

O almoço fui um misto de silêncio, mal ouviu as palavras dos colegas

Durante a tarde o seu trabalho foi feito com a cabeça bem longe

Num dos momentos felizes e intensos, a cada momento recordava o seu sorriso, o bom dia doce e suave dos seus lábios.

Saiu do emprego , o vazio voltara a fazer parte de si.

Entrou no carro ,  percorreu estrada sem fim, não parou para jantar

hoje era uma noite diferente, fria distante…

Chegou a casa era noite cerrada, deitou-se sem acender a luz

e na noite com o pensamento nela ainda murmura no sono:

Beijo o infinito das palavras

beijo o momento de acordar

Quero cada gota da vida

De Novo

De Novo

Tinham combinado no alto de uma colina, de onde se avistava o rio.

Ele chegara antes, uma aragem fria corria por ali. Ouviu se  o ruído de um carro a avançar no caminho de terra batida. A silhueta esguia da menina surgiu veio ter com ele. Murmurou um olá … trocaram mil silêncios  , um misto de cumplicidade,  e procura no olhar do outro.

 

Falaram  da vida, dos momentos que tinham passado.

Da vida apressada dos dias de hoje, de como as pessoas querem viver tudo de uma vez…. todos um dia queremos viver tudo.

Regressaram de mãos dados com os dedos entrelaçados no momento e no tempo .

Decidiram arriscar de novo, percorrer o caminho, trilhar os passos calcados na ainda.. terra mole….

Aproximava-se a noite, entraram nos carros, faziam falta as palavras, uma mão que afasta farripas doiradas de cabelo de uma pele macio… o sonho .

As escolhas são todos os dias, todos os minutos….

Um bando de pombas passa…. lá no alto solitário voa para longe um falcão.

Faz falta um banho quente… murmura baixinho …

um sonho despertou,, doce, intenso.

Todas as palavras

Todas as palavras

Ele percorreu o caminho solitário….

Viu o rio que corre nas gargantas de granito em forma de mulher, também ele , por vezes doce, outras vezes agreste e selvagem.

 

Sabia o que  a vontade de proximidade …o corpo, o nosso e o dos outros é um lugar estranho que nos diz todas as palavras dos corpos que um dia desejamos.

Foi ter com ela, ansioso aguardou.  Dois cafés e mil  silêncios, o fumo do cigarro dela … as palavras saiam estranhas, elas que tudo fazem e movimentam.

Olharam -se bem no fundo dos olhos. Conversaram como duas pessoas que se conheciam , não se viam faz muito tempo. Percorreram a pé o estacionamento, o baloiçar dos corpos fez as suas mãos tocarem-se ao de leve… a custo ambos continuaram a resistir.

Na altura de se despedirem os seus corpos tocaram-se, o beijo fundiu-se num abraço intenso, apertado, sentido na dor do momento, das palavras por dizer…

Afastou-lhe o cabelo, de leve acariciou-lhe o rosto no vento da tarde.

Sabia que são secretos os fantasmas até que alguém ouse falar deles…