Na Floresta do Sonhos

Na Floresta do Sonhos

Anoiteceu na floresta, pequenos bancos de nevoeiro começam pouco a pouco a levantar se. Os ruídos da noite surgem pouco a pouco, vão aumentando de intensidade, lentamente.  As árvores, a vegetação e até os cursos de água assumem formas diferentes. Ali tudo se encontra e tudo se perde. A noite é princesa, rainha e a sua mão escura manda nos homens. Por ora não se vê ninguém. Na noite da floresta tudo acontece. No dia seguinte com os alvores da manhã, só podemos imaginar. Lá longe onde se perdem sonhos e tempos.

Solta do tempo, no meio da floresta uma clareira, envolvida por nuvens sombrias. Perdido  entra na clareira, fica encantado por todos os sonhos que em enormes bolas brilhantes ali deambulam. Uma melodia o envolve passo após passo, sente que mãos de orvalho lhe acariciam os cabelos. Sente a cada passo o toque dos sonhos. Mas não consegue ver ninguém.

A sombra doce que com os seus braços o envolve, do seu abraço ouve a serra e o mar, o dia e anoite de veludo que o deita e acolhe no seu regaço.

Envolvidos num só repousa e murmura apeteces me…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *